Alagamento em Barueri | Globo

       Barueri, Carapicuíba, Osasco e Jandira sofreram drasticamente com alagamentos na tarde do último Sábado (01/02), causando congestionamentos quilométricos e transtornos nas principais vias das cidades, como a Avenida dos Autonomistas em Osasco e a Alameda Araguaia no Tamboré, região de Alphaville. Janeiro e Fevereiro são meses de fortes chuvas e as Prefeituras da região tem combatido esse fenômeno natural de forma errônea, isso quando há tentativas. 

       Os alagamentos geralmente ocorrem em áreas de vale: Proximidades com grandes rios, córregos ou até mesmo locais onde os leitos fluviais foram canalizados. O bairro Rochdale em Osasco, por exemplo é um grande problema durante enxurradas devido a ocupação por residências irregulares em regiões muito próximas ao "braço morto", antigo caminho do Tietê que foi retificado em toda a Grande São Paulo. 

        A construção de piscinões de fato ameniza tal problemática mas está longe de ser a solução correta. Como a urbanização das áreas mencionadas no artigo não pode ser revertida, as Prefeituras devem buscar artifícios urbanísticos para que os alagamentos sejam pelo menos minimizados. As medidas variam de acordo com a localidade. Quanto mais permeabilidade houver em algum bairro ou via, menores são as chances de ocorrer enchentes devido à incidência de chuva.

       A permeabilidade pode ser alcançada por meio de diferentes artifícios: Desde a instalação de calçamento sem a utilização de cimento em calçadas até a remodelação de canteiros centrais e a construção de praças para ampliar áreas verdes. Quando há a possibilidade da água da chuva escoar para o solo (em seu caminho natural), ela não se acumula em pontos críticos causando tais transtornos urbanos. Parece algo simples de se alcançar, mas aparentemente as Prefeituras brasileiras não querem ou não tentam resolver essa questão.



       As calçadas feitas com blocos de concreto intertravados são fixadas por pressão, sem a adição de concreto para a sua fixação, possibilitando a passagem da água da chuva para o subsolo. Antes das obras da gestão Emídio de Souza (PT), no calçadão de Osasco esse era o calçamento adotado. Após a "concretização" da região a incidência de alagamentos aumentou tremendamente no local. As Prefeituras deveriam incentivar esse tipo de urbanização.

       Os pontos que mais alagam na Avenida dos Autonomistas são os locais sem canteiros centrais verdes e mais próximos de regiões baixas, assim como acontece na Avenida Bussocaba, cujo ponto mais crítico é a altura de frente para a Prefeitura de Osasco, onde o córrego Bussocaba foi canalizado. Esse tipo de incentivo deve ser promovido junto com uma ampliação da coleta de lixo para que aos poucos as cidades aprendam a cuidar de seus alagamentos de forma correta.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

Segurança

Saúde