Veloso, Osasco
       Ações de readequação e inserção urbana de comunidades e bairros nas periferias de Osasco tem sido constantes nas últimas gestões municipais. Todavia, a forma como esses projetos tem sido executados é preocupante pois eles não visam estruturar espaços de verdade, mas sim "maquiar" e oferecer o básico para os locais mais povoados da cidade.

       Regiões como o Morro do Socó, na Zona Norte de Osasco, que foram ocupadas de forma irregular tem recebido asfalto, iluminação pública, guias, sarjetas e projetos de esgoto. Em teoria essa ação é essencial, pois tem oferecido serviços básicos a regiões que não contavam com esses. Porém, ao asfaltar ruas estreitas, regularizar escadões existentes e pavimentar vielas a gestão está executando obras errôneas que apenas vão transformar uma favela em um bairro com característica de periferia.

       O leito carroçável, ou seja, as ruas de um bairro devem manter uma largura mínima de forma a caber ao menos um automóvel por sentido e uma calçada mínima com 1,20m de comprimento, que comporte ao menos dois pedestres e um espaço destinado à arborização urbana. Além disso, deve-se reservar locais para a criação e construção de praças, escolas, creches municipais e áreas de convivência. Esses equipamentos são simplesmente esquecidos pela Prefeitura quando tais lugares são porcamente "reurbanizados".

       Bairros como o Jardim Conceição, Padroeira e Veloso, na Zona Sul de Osasco, são resultados desse conceito de "maquiagem urbana" criado durante a gestão do ex-prefeito Celso Giglio (in memorian). Ruas estreitas, vielas ingrimes e escadarias irregulares são praticamente o cartão de visitas de todas as periferias urbanizadas pelas últimas gestões. Esse tipo de "organização" auxilia na criação de um bairro perigoso, insalubre e com índices de qualidade de vida nefastos, onde apesar de terem o básico, os moradores não desfrutam de tudo o que deveriam ter direito.

       O único bairro com projeto de readequação decente na história de Osasco foi o Portal D'Oeste, com obras iniciadas na gestão do Ex-Prefeito Emídio de Souza (PT). Comunidades devem ser "repensadas", pois a sua ocupação na maioria das vezes não foi planejada e não foi criada para comportar o básico de uma estruturação viária e de lazer mínimos. Enquanto a Prefeitura de Osasco não perceber o que têm feito com as regiões mais carentes, o IDH da cidade cairá por terra nos próximos anos.

       


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem